DECEMBER 9, 2022

Montes Claros, Poços de Caldas, Uberlândia e Pouso Alegre recebem mais uma edição do Projeto Parede com exposições itinerantes de arte visual

Iniciativa do Sesc em Minas valoriza a produção de artistas locais e democratiza o acesso às artes.

Sertão Catrumano (3)

Foto: Divulgação/Sesc

Em sua terceira edição, o Projeto Parede retorna a Monte Claros, Poços de Caldas e Uberlândia. E, pela primeira vez, será exibido em Pouso Alegre. Com exposições de artes visuais, como pinturas, desenhos, gravuras, fotografia, vídeo e artesanato, o projeto seleciona artistas locais e abre as portas das unidades do Sesc para o público acompanhar o processo de produção das obras. Após finalizadas, elas ficarão expostas por um período de 60 dias e depois seguirão, de forma itinerante, para as unidades participantes do projeto.

As exposições começam agora em novembro e vão ficar em circulação até novembro de 2024. Todas são gratuitas e abertas ao público.

No Projeto Parede, as manifestações artísticas ocupam espaços diversos e cotidianos, como paredes, corredores, jardins, espaços multiusos e qualquer outro ambiente que comporte obras de arte, buscando facilitar o acesso da população a esse tipo de produção.

“Com o projeto, o Sesc em Minas pretende valorizar as artes visuais e contribuir para a circulação desse acervo cultural em ambientes alternativos e mais acessíveis para o público em geral, além de oferecer uma programação artística cada vez mais diversificada em nossos espaços”, explica Manuella Abdanur de Paiva, gerente de Cultura do Sesc em Minas.

Nesta edição, foram selecionados os artistas mineiros Cleiton Cruz, Laura Conti, Rafael da Mata e Thaneressa Lima.

Confira o cronograma de abertura:

De novembro/2023 até janeiro/2024: “Sertão Catrumano de Alma Gasta”, de Cleiton Cruz, em Montes Claros

De novembro/2023 até janeiro/2024: “Gesto Difícil Instalação com Xilogravuras de Grande Formato”, de Rafael da Mata, em Poços de Caldas

De novembro/2023 até janeiro/2024: “A Partir do Umbigo”, de Laura Conti, em Pouso Alegre

De novembro/2023 até janeiro/2024: “Donde Eu Vim, por Onde Eu Vou”, de Thaneressa Lima, em Uberlândia.

Sobre os artistas e seus trabalhos

Cleiton Cruz é da cidade de Montes Claros e já fez várias exposições no estado de Minas Gerais e no exterior. Dialogando com a cultura regional e o grafite urbano, o artista retrata sua gente e seus costumes, além de abordar temas ambientais, como a preservação do bioma do Cerrado. Sua exposição, “Sertão Catrumano de Alma Gasta”, homenageia a literatura regional e ilustra o imaginário coletivo do sertanejo, discutindo questões históricas e sociais de uma sociedade complexa e única, com um registro visual que evoca a necessidade de preservação da fauna e da flora do bioma cerrado.

Laura Conti é multiartista e psicóloga do sul de Minas Gerais, interessada pelas poéticas, políticas e encantamentos do cotidiano. Investiga e cria principalmente a partir do corpo e da palavra, utilizando a dança, a performance e a arte visual para materializar suas obras, que derivam dos processos com sua identidade e ancestralidade. Nessa exposição, “A partir do umbigo”, a artista reúne trabalhos em que evidencia o movimento do giro, da roda e da circularidade, bem como de elementos da religiosidade de matriz africana, além de reavivar objetos de seu avô para tensionar os sentidos e investigar a repetição e o exercício de recordar.

Rafael da Mata é natural de Poços de Caldas. Cursou Artes Visuais na Escola de Belas Artes da UFMG, onde se apaixonou pelos processos e pelos desafios da xilogravura. Durante a busca dos materiais necessários para montar seu ateliê, ele passou alguns anos atuando com restauração de igrejas em cidades como Tiradentes e Belo Horizonte, fazendo aplicações em folhas de ouro. Durante esse tempo, conseguiu adquirir o maquinário e as ferramentas necessárias para trabalhar com a xilogravura em sua oficina e ateliê, em Poços. Na exposição “Gesto Difícil Instalação com Xilogravuras de Grande Formato” encontram-se obras de 1,80 m impressas em tecido, nas quais o artista expõe um pouco do seu processo de criação, a partir dos materiais utilizados.

Thaneressa Lima é de Uberlândia e atualmente experimenta sua caminhada de forma nômade e radicalmente viva, atuando com fotografia e audiovisual – ela detém um olhar aberto e curioso para todas as formas da arte e da vida. Seu trabalho documenta cenas do cotidiano, margeando os limites entre realidade e ficção para produzir um olhar intimista e poético dos “agoras” por meio da imagem. Na exposição fotográfica “Donde eu vim, por onde eu vou”, a artista revisita as imagens que compõem sua trajetória nos últimos 10 anos, compartilhando os diversos suportes da sua caminhada: fotografia de celular, fotografia digital, fotografia analógica e fotografia artesanal, fazendo da grafia com a luz sua escrita no mundo.

Serviço:

Projeto Parede 2023/2024

Onde:

Sesc Montes Claros:  Av. Deputado Esteves Rodrigues, 1124, Centro.

Sesc Poços de Caldas: Rua Paraná, 229 – Centro.

Sesc Uberlândia:  Rua Benjamim Constant, 844 – Aparecida.

Sesc Pouso Alegre: Avenida Vicente Simões, 152 – Centro.

Quando: novembro/2023 a novembro/2024.

*Exposições abertas ao público gratuitamente (sem retirada de ingressos).

Compartilhe:

Notícias Relacionadas

Montes Claros Polícia

Tiroteio em Montes Claros deixa um morto e um ferido

Empreendedorismo Montes Claros

Câmara da Mulher realiza primeiro Café Conexão para empreendedoras