DECEMBER 9, 2022

Vendida! Fêmea avaliada em R$ 390 mil bate recorde em leilão da Expomontes

Riviera, de apenas oito meses, foi a grande estrela da noite, fruto de fertilização “in vitro”, a fêmea possui linhagem genética de alto nível.

4A44681F-0E82-49A8-A9AD-912229079E43

Riviera tem oito meses e teve 50% da propriedade comprada/ Foto: Solon Queiroz

 

Dou lhe uma, dou lhe duas, dou lhe três… vendida! Uma fêmea Nelore de oito meses bateu recorde ao ser arrematada com a valorização de R$ 390 mil na noite desta terça-feira (04), durante o 17° Leilão da estância Nelore OMJ.

Cerca de 600 pessoas participaram do evento que leiloou 35 animais da raça Nelore, com preços que variam de R$ 91,500 mil para touros, com idades entre 25 e 31 meses, e R$ 27 mil para matrizes entre oito e 18 meses.

Riviera tem oito meses e foi a estrela da noite em um dos mais concorridos e esperados leilões da Exposição Agropecuária de Montes Claros, a Expomontes. Após cobrir vários lances, o pecuarista Evandro Avelino foi o felizardo ao comprar 50% da propriedade da fêmea. A linhagem e a genética de alto nível foram fatores primordiais na escolha.

“Comecei na pecuária há bastante tempo com o meu avô e parei, fiquei 15 anos fora do negócio, e resolvi voltar. Quando voltei, quis começar já com a cabeceira lá em cima, com os melhores gados comercializados no Brasil inteiro. Acredito muito no critério e no desenvolvimento do gado da OMJ que é padrão, e Riviera é um animal diferente, vamos ganhar muito dinheiro com ela”, projetou o pecuarista.

Esta não foi a primeira vez que Evandro se atentou às potencialidades do rebanho exposto pela OMJ. Foi ele que também bateu o recorde da Expomontes em 2022, ao comprar 50% da propriedade de outra fêmea, a Ravena, avaliada em R$ 130 mil, e que também possui linhagem de doadores de alto nível.

“Na época, eu comprei como bezerra, hoje, um ano depois, ela já está nos surpreendendo, com ganho de peso, e já está prenha, faltando dois meses para termos a cria. Posteriormente, vamos fazer a fertilização in vitro. E a genética é isso, tentar sempre com que os filhos sejam melhores que os pais”, destacou Evandro.

O sócio da Estância Nelore OMJ, Túlio Miranda, explica que Riviera se destacou desde que nasceu e é fruto de uma fertilização “in vitro”. Ele conta que ano a ano, o trabalho de melhoramento genético tem evoluído. “O que a gente fez, na nossa propriedade, foi implantar a fertilização ‘in vitro’, a Fiv, que nós colocamos com mais assiduidade esse ano. Então, a gente fez mais filhos para a gente acelerar muito esse processo de melhoramento genético. A gente pega um embrião de uma matriz muito boa da fazenda, e coloca em uma barriga de aluguel. Ao invés daquela matriz muito boa gerar só uma bezerra, ela agora pode gerar inúmeras barrigas de aluguel. Então, isso acelera a evolução do melhoramento do rebanho”, explicou.

Quem também pôde constatar esse melhoramento genético foi o ex-jogador de futebol e pecuarista Evaldo Silva dos Santos. Há três anos ele compra e vende nos leilões da OMJ e para ele o retorno tem sido vantajoso.

“Já estou há 14 anos no ramo da agropecuária e tive o prazer de comprar uma novilha aqui no leilão OMJ. Os resultados foram muito bons, já vendemos duas aqui no próprio leilão em edições anteriores e o lucro que tive dá umas três vezes mais do que gastei. Então, isso é o que me trouxe para o leilão OMJ. Nós temos entre os diferenciais desses touros Nelore a adaptabilidade ao nosso clima e a genética, que vem melhorando a cada ano, onde você coloca genética no seu gado, precocidade, o bezerro sai mais rápido, tem o ganho de peso e de carcaça e, consequentemente, acaba tendo mais lucro por unidade do animal”, pontuou.

Osvaldo Miranda Júnior, diretor de Leilões da Sociedade rural e sócio da OMJ, diz que a preparação para o leilão começa muito antes, e que a próxima edição já rende boas expectativas. “É característica do leilão OMJ a gente já terminar à noite e já começarmos a trabalhar para o ano que vem. E uma particularidade é que todas as 17 edições foram durante a Expomontes. Preparamos com muito carinho, olhando o que o produtor está precisando, para fazer animais que vão atendê-los da melhor maneira na sua fazenda. A fiv, a gente faz para multiplicar aquele animal que tem uma genética melhor. Por exemplo, uma matriz que naturalmente ela reproduz de oito a 10 crias na vida, ela passa a reproduzir de 50 a 60 bezerros ao utilizarmos a barriga de aluguel de outras fêmeas”, finalizou Osvaldo.

Cerca de 600 pessoas participaram do leilão/ foto: Solon Queiroz

Compartilhe: