DECEMBER 9, 2022

Polícia conclui investigação de feminicídio ocorrido em Porteirinha

A Polícia Civil de Minas Gerais concluiu nesta segunda-feira (09) investigação sobre crime de feminicídio ocorrido em 29 de julho, na Zona Rural de Porteirinha, Norte de Minas. A vítima, uma jovem de 18 anos, foi encontrada morta pela mãe no quarto onde dormia com sinais de esganadura no pescoço. O suspeito de 22 anos […]

IMG-20210809-WA0344

A Polícia Civil de Minas Gerais concluiu nesta segunda-feira (09) investigação sobre crime de feminicídio ocorrido em 29 de julho, na Zona Rural de Porteirinha, Norte de Minas. A vítima, uma jovem de 18 anos, foi encontrada morta pela mãe no quarto onde dormia com sinais de esganadura no pescoço. O suspeito de 22 anos foi preso, ele confessou o crime e alegou suposta infidelidade por parte da vítima.

Segundo o Delegado André Nunes Barbosa Brandão, foi realizada uma minuciosa análise nos dados contidos no celular da vítima, e, na data dos fatos, quando o casal estava separado, houve intensa troca de mensagens entre eles, várias conversas em aplicativo em que o suspeito suplicava pelo retorno do relacionamento. “ O suspeito alegou em suas declarações que a vítima o estava traindo, entretanto, conseguimos provar dentro dos autos que ele agiu por não aceitar o fim do relacionamento“, explicou.

A PC concluiu que a motivação do crime foi o término do relacionamento. Na dinâmica dos fatos ficou provado que por não conseguir convencer a vítima a reatar, durante a madrugada, por volta das 2h, o suspeito foi até o local onde a jovem estava, na casa dos avós dela, e na presença do filho do casal, com golpes de mata leão, ele matou a jovem por asfixia. Depois, ele tentou fugir, mas foi preso e autuado em flagrante no mesmo dia.

A equipe da Delegacia de Polícia em Porteirinha coordenada pelo Dr. André Brandão realizou todas as diligências necessárias para finalizar o Inquérito policial, nos autos, promoveu o indiciamento do suspeito por homicídio qualificado, “ele foi indiciado em três qualificadoras, motivo fútil, asfixia e feminicídio, e ainda, pelo fato de o delito ter sido cometido na presença do filho da vítima, criança de apenas 2 anos de idade, a pena pode ser aumentada de 1/3 até a metade” esclareceu o Delegado.

Finalizada as diligências o Inquérito Policial foi enviado à Justiça, a autoridade representou pela decretação da prisão preventiva do suspeito que permanece no sistema prisional.

Compartilhe: